Cartel expo Aves brasilenas07.03.2018

No próximo 7 de março, às 12h00, o Centro de Estudos Brasileiros inaugura na Faculdade de Biología a exposição “Aves brasileñas del estado de São Paulo”, dos fotógrafos Clelgen Luiz Bonetti e Norma Vasconcelos Saldanha Marinho, os terceiros dos sete selecionados no programa de Residência Artística de Fotografia 2018.

As fotografias que formam parte desta exposição são fruto das viagens deste casal pelo interior do estado de São Paulo. Em cada pequena cidade que visitavam, encontravam uma grande quantidade de cantos de pássaros que não conheciam, vários deles visíveis em árvores, ruas, telhados e nos cabos de eletricidade. Començaram a fotografá-los. Com surpresa descobriram que, nas fotografias era possível ver detalhes que, a simple vista, não eram vistos. Isso despertou a sua curiosidade: um passarinho que parecia amarelo, na verdade, era muito mais colorido! Pouco depois, descobriram a relação entre o equilíbrio ambiental e o número de aves que viam. Notaram que quando uma ave típica de uma determinada região aparecia em outro lugar, era indício de que algo estava mal; indicava uma alteração ambiental ou uma desmatamento.
Então, pesquisaram o motivo da diferença na distribuição geográfica das aves. Em mais de quatro séculos de história, o estado de São Paulo tinha sofrido uma imensa degradação ambiental, perdido boa parte de sua vegetação nativa, principalmente, mata atlântica, cerrado e vegetações costeiras. Em meio século de industrialização, a devastação da mata atlântica tinha alcançado níveis alarmantes: em 1973, a floresta primitiva estava reduzida a 8,75% do seu território inicial (cerca de 2 milhões de hectares, concentrados quase que exclusivamente na Serra do Mar). Os dados mostravam que na última década do século XX o aumento documentado de 2% na área de vegetação de todo o estado de São Paulo foi completamente inexpressivo.Constataram que, hoje, o município de São Paulo tem apenas 18% de sua vegetação original, o que coloca muitos animais em risco de extinção por falta do seu habitat natural. além disso, sabe-se que a mata atlântica é uma das regiões com maior biodiversidade do mundo e riquíssima em aves. Sua avifauna inclui mais de 600 espécies, das quais cerca de 160 não existe em nenhum outro tipo de ambiente.
A medida em que tomavam conhecimento das estatísticas, mais se interessavam pelos pássaros. Encontraram registros de materiais coletados e depositados em coleções de fotografias ou gravações que documentavam a presença de 793 espécies de aves no estado de São Paulo, correspondendo, aproximadamente, a 45% da avifauna brasileira. Destas aves, cerca de 160 espécies catalogadas se encontravam ameaçadas de extinção em 1998.
Clelgen Luiz Bonetti y Norma Vasconcelos Saldanha Marinho são um casal de médicos que viaja continuamente pelo Brasil. Muitas coisas os une e a fotografia é uma delas. São parceiros e companheiros de vida e de aventuras fotográficas. Gostam de fotografar situações do cotidiano, nas grandes metrópoles e em cidades do interior, arquitetura, expressões faciais e cenas da natureza. Clelgen começou a fotografar ainda criança, com 11 anos de idade, quando ganhou do pai uma câmera fotográfica Petri totalmente manual. A partir daí, teve várias câmeras: Pentax da série SP até entrar para fotografia digital no final da década de 1990, com câmeras Nikon, marca que utiliza até hoje. Ele sempre foi autodidata em fotografia valendo-se de leituras, da prática e de experimentação. Clelgen recebeu menção honrosa no concurso de Fotografia da Porto Seguro em 2013, teve duas fotos escolhidas em concurso promovido pela Sociedade Brasileira de Coluna, para compor o calendário de 2015 e participou da exposição coletiva da 5ª Vitrine de São Caetano do Sul, de 2016.Norma e Clelgen são membros do Fotoclube ABCClick com sede em São Caetano do Sul (SP). Ambos participaram do workshop com o fotógrafo Roberto Strano, no Museu da Imigração de São Paulo, em dezembro de 2014, do 5º workshop de Fotografia e Cultura Italiana “Fatto a Mano”, de 12 a 19 de setembro de 2015, e do workshop com o fotógrafo Tommer Iphar, no SESC-SP, em julho de 2017.
A exposição estará aberta para visita no hall da Faculdade de Biologia (Campus de Unamuno- C/ Donantes de Sangre, s/n) de 7 a 28 de março de 2018 e a entrada é gratuita.
Tagged with:
 

Plaza de San Benito, 1 37002 Salamanca T +34 923 294 825 F +34 923 294 587